Financiamentos pelo FCO já superam R$ 1,2 bilhão e bancos ainda recebem propostas, afirma presidente do conselho

Com R$ 1,247 bilhão já contratados, os bancos ainda recebem propostas de financiamentos pelo FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste). “Hoje ainda temos recursos tanto para o FCO Empresarial quanto para o FCO Rural. Em outros anos, nessa época já estávamos transferindo recursos do Empresarial para o Rural, mas graças A a alocação de mais recursos, temos ofertas para as duas áreas”, disse o secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck, que preside o CEIF/FCO (Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis pelo FCO), órgão gestor do Fundo no Estado.

 

O Conselho se reuniu ontem(15.10), na Semagro, para avaliar o andamento das contratações de recursos e deliberar sobre novas propostas. “Só hoje aprovamos R$ 35 milhões para a suinocultura, mostrando a expansão dessa atividade no Estado”, salientou Verruck. “Estamos com uma série de propostas em andamento em função do crescimento econômico de Mato Grosso do Sul, e nosso foco tem sido, no que diz respeito ao FCO Rural, os investimentos em suinocultura e avicultura”, disse.

 

Com relação ao FCO Rural, já foram contratadas 1334 propostas que perfazem R$ 789 milhões e outras 456 propostas (R$ 352 milhões) tramitam no banco. Já no FCO Empresarial o número de propostas contratadas é maior, 1744, enquanto o valor chega a R$ 458 milhões. Outras 134 propostas estão em tramitação, que representam outros R$ 463 milhões em solicitação de empréstimos.

 

Jaime Verruck lembra que, tanto para o FCO Empresarial quanto para o Rural, ainda estão sendo recebidas novas propostas de financiamento. Para o capital de giro, por exemplo, o Conselho decidiu elevar o teto de financiamento de R$ 170 mil para R$ 200 mil, atendendo demanda do empresariado. O Conselho volta a se reunir até o dia 30 de outubro para nova avaliação do andamento das propostas e tomada de decisões.

 

O CEIF/FCO é o órgão colegiado de deliberação coletiva, vinculado à Semagro, responsável por gerir os recursos da linha de financiamento. O Conselho é presidido pelo secretário da Semagro e integrado por representantes das Secretarias de Infraestrutura (Seinfra), de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast), dos órgãos vinculados à Semagro: Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural) e Imasul (Instituto do Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul); das federações de Agricultura, Indústria e Comércio; do Sebrae e da Federação de Trabalhadores Rurais (Fettar/MS).

Restituição de R$ 43,7 mi do Imposto de Renda ajuda a alavancar economia de Mato Grosso do Sul no trimestre

A Receita Federal depositou otem (15) R$ 43,7 milhões na conta de 35.788 contribuintes de Mato Grosso do Sul, referentes ao quinto lote de restituição do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) 2019. O lote inclui também restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2018. Um aporte de recursos importante para a economia do Estado, neste último trimestre de 2019, e que pode contribuir para as festividades de fim de ano, aquecendo as vendas no comércio.

 

“Juntamente com a liberação de outros recursos como Pis/Pasep, FGTS e o 13º salário esse montante ajuda a garantir um otimismo maior neste segundo semestre, especialmente nessa reta final, às vésperas das festas de fim de ano, que possuem um apelo emocional maior para motivar as compras. Também devem ser investidos no pagamento de dívidas, o que é positivo, pois reduz as possibilidades de inadimplência da população, além desse valor retornar de alguma forma para o comércio, seja pelas instituições financeiras ou em estabelecimentos comerciais”, explica a economista do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Econômico da Fecomércio-MS (IPF-MS), Daniela Dias.

 

Para saber se teve a restituição liberada, o contribuinte deverá acessar a página da Receita na internet, ou ligar para o Receitafone 146. A Receita disponibiliza, ainda, aplicativo para tablets e smartphones que facilita consulta às declarações do IRPF e situação cadastral no CPF.

 

Em todo o Brasil, será restituído o imposto para 2.703.715 contribuintes, totalizando R$ 3,5 bilhões. Com informações da Receita Federal.