Fiscalização do Procon em Campo Grande verifica que produtos de higiene pessoal e limpeza têm variação de até 222%

Levantamento realizado pela Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon/MS) entre os dias 7 e 17 deste mês em 11 estabelecimentos comerciais na Capital que vendem produtos de higiene pessoal e limpeza, verificou diferença de até 222,21% no preço de um mesmo produto entre uma loja e outra.

 

Foram verificados os preços de 225 produtos, dos quais são divulgados 171, uma vez que os 54 restantes estão à venda em menos de três locais pesquisados e, as normas para divulgação preveem no mínimo três. Durante a pesquisa foi detectada diferença de 222,21 % no preço do álcool em gel (Cooperalcool, com 500g), uma vez que pode ser adquirido por R$ 6,98 no Supermercado Legal ou por R$ 22,49 no Extra Hipermercado.

 

Entretanto, vários outros produtos apresentam diferenças de preços superiores a 100%.  Exemplos são desinfetante liquido bak Ipê (160,40%) a venda no Carrefour por R$ 6,49 e no Pague Poko por R$ 16,90; aparelho de barbear Gillette prestobarba ultragrip com 2 unidades (160,36%) encontrado por R$ 4,19 no Assai e por R$ 11,69 no Comper; palha de aço Q’lustro (133,82%), vendido no Atacadão por R$ 0,68 e no Comper por R$ 1,59, entre outros.

 

A ação do Departamento de Pesquisas do Procon/MS, que se deu durante 10 dias, foi realizada tanto em unidades comerciais da área central de Campo Grande como em bairros mais distantes. Os locais visitados foram Assai Atacadista, na avenida Cônsul Assaf Trad (Mata do Jacinto), Atacadão, na avenida Coronel Antonino, Carrefour no bairro Santa Fé, Comper do Jardim dos Estados, Supermercado Duarte na Vila Piratininga, Extra Hipermercado, na rua Maracaju, Fort Atacadista, na Vila Célia, Supermercado Legal, no bairro Tiradentes, Pague Poko no Taquaral Bosque, Supermercado Pires, no Jardim Monumento, e Supermercado São João, no Aero Rancho.

 

O maior número de itens (130) foi cotado no Fort Atacadista. A maior quantidade com menor preço (50) estava no Assai, enquanto a maior quantidade com maior preço (33) foi apresentada pelo Carrefour.

 

Os itens que obtiveram maior e menor variação foram: Álcool em Gel Cooperalcool de 500g, com 222,21%, sendo o valor de R$ 22,49 no Hipermercado Extra e R$ 6,98 no Supermercado Legal, e Amaciante de Roupas Minuano de 2 Litros, com 3,56%, sendo o valor R$ 6,99 no Hipermercado Comper e Atacadão e R$ 6,75 no Assaí, respectivamente. Marcelo Salomão, superintendente do Procon Estadual, lembra que “pesquisar não é perder tempo. Via de regra representa economia no orçamento, mesmo que exija atenção do consumidor”.

 

Comparativos

 

No sentido de demonstrar a evolução de preços ano a ano, tendo como base 2019 e 2020, foram estabelecidos termos comparativos entre itens que mantêm a mesma apresentação (tamanho, peso e medida) em ambos os anos. A conclusão foi que houve variação para maior em produtos como espuma de barbear Nívea (26,89%), absorvente Sempre Livre (21,34%) e álcool em gel Cooperalcool (18,52%).

 

Foi registrado, também, quedas em preços de alguns produtos como é o caso de amaciante para roupas Douny concentrado (redução de 30,34%); álcool líquido Da Ilha (22,18%) e pedra sanitária Pato, que ficou 13% mais barato. As diferenças tanto para maior como a menor foram verificadas em 151 itens. Desse total, 89 itens apresentaram preços maiores que no ano passado, 61 com preços menores e, apenas um (sabonete barra Francis classic suave 90g – caixa) sem qualquer variação de preço.

 

 

Confira abaixo a pesquisa do Procon/MS:

Comparativo Material de Limpeza e Higiene janeiro 2020

PLANILHA MATERIA DE LIMPEZA E HIGIENE PESSOAL janeiro 2020

 

 

Fonte: Procon MS

Obra na MS-306 vai gerar empregos e movimentar economia dos municípios de Costa Rica, Cassilândia e Chapadão do Sul

As obras que serão realizadas no trecho de 220 km da rodovia estadual MS-306, entre Costa Rica, Cassilândia e Chapadão do Sul, vão gerar empregos que irão absorver mão-de-obra local e movimentar o setor de construção civil desses municípios e região.

 

Ontem (20), o secretário Jaime Verruck, da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), reuniu-se com Paulo Lopes, diretor-presidente do Consórcio Way306; Giovanni Mott, diretor administrativo e financeiro e Alexandre Siqueira, gerente de Engenharia do consórcio que reúne empresas habilitadas para a concessão da MS-306. Também participaram o diretor-presidente do Imasul, André Borges e o diretor de Licenciamento do Instituto, Osvaldo Santos.

 

De acordo com Jaime Verruck, “alinhamos alguns pontos no planejamento e no cronograma de obras. No caso do licenciamento ambiental junto ao Imasul, será feito um pedido que abranja o projeto na íntegra, a fim de dar celeridade nas ações. Além disso, a empresa reiterou o seu compromisso de contratação de mão-de-obra local e aquisição de materiais junto às empresas da região para fomentar a economia dos municípios. A estimativa é de que, somente na construção civil, haja uma contratação de 600 pessoas”.

 

A rodovia MS-306 é um polo de integração comercial entre os estados de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, São Paulo, Goiás e Minas Gerais e importante rota de escoamento de produção de açúcar, álcool, algodão, soja e milho. O contrato de concessão da rodovia tem estimativa de investimentos de aproximadamente R$ 1,7 bi no período de 30 anos. Segundo estudos, com a concessão deve ocorrer a redução do número de acidentes, diminuição do tempo de deslocamento e economia de R$ 4 milhões/ano em investimentos na manutenção da estrada.

 

Procon Estadual apresenta balanço mostrando que realizou 31.894 atendimentos em 2 019, superando o ano anterior

Levantamento realizado pelo Departamento de Estatística da Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor -Procon/MS, órgão integrante da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, assistência Social e Trabalho – Sedhast, com dados fornecidos pelo Sistema Nacional de Informações e Defesa do Consumidor – Sindec, em nível de Estado, demonstra aumento de  2,40% na quantidade de atendimentos diversos ( 31 894) se for levado em consideração o comparativo com  ao ano anterior ( 31.144).

 

A maior demanda foi em relação à abertura de  Cartas de Informação Preliminar (CIP) que atingiu o total de 11.710, seguida de abertura direta de reclamação totalizando 9 277. Serviços com menor procura mas não menos importantes foram simples consulta, fiscalização, atendimento preliminar e reclamações de ofício, entre outros. As áreas mais demandadas foram assuntos financeiros e serviços essenciais que representaram 58,4 por cento dos atendimentos, seguidas de  serviços privados, habitação e alimentos.

 

Em se tratando de orientações por meio do telefone 151,  os números também mostram evolução, tendo atingido 6 508 atendimentos, o que demonstra que o consumidor está mais atento no que diz respeito a seus direitos. Os trabalhos realizados pelo Departamento de Pesquisas produziram um ranking elencando os 20 assuntos que mais preocuparam o consumidor e, numa ordem de quantidade, energia elétrica,  estabelecimentos comerciais,  bancos comerciais, telefonia celular, cartões de crédito, agua/esgoto e escolas lideram as  reclamações.

 

O mesmo levantamento, realizado pelo Procon Estadual, evidencia que os principais problemas giram em torno de cobrança indevida/abusiva, duvidas sobre cobranças, produtos com vício, não cumprimento ( alteração,  transferência, irregularidades em contratos), recusa injustificada em prestação de serviço e demora ou não entrega de serviços. Os serviços de  estatísticas  detectaram que as empresas mais reclamadas foram Energisa, Águas Guariroba, Telefônica  do Brasil, Claro e bancos  havendo maior demanda para  Bradesco, BMG, Caixa Econômica Federal e Bradescard.

 

Apesar de registrar menor quantidade de reclamações, a  Nova Casa Bahia, Sky, Tim, Brasil Telecom, Banco Santander, Anhanguera Educacional, Banco do Brasil,  Panamericano e Casas Pernambucanas, também fazem parte a lista, Serviços públicos – Energisa e Águas Guariroba – representam 11,28 por cento dos atendimentos realizados pelo Procon Estadual em 2 019. A resolutividade dos atendimentos de CIP no decorrer do ano foi de  69,87%. Apenas  como ilustração, o recorde diário de atendimentos  ocorreu no dia  12 de dezembro passado, uma quinta-feira, entretanto, em dias normais, na segunda-feira é que ocorre a maior procura.

Procon Municipal inicia fiscalização nos estabelecimentos comerciais de atendimento prioritário de pessoas com TEA

O Procon Campo Grande deu início as fiscalizações do atendimento prioritário de pessoas com TEA (Transtorno Espectro Autista), nos estabelecimentos da Capital. Em julho de 2019, foi realizada uma ação de conscientização visando o cumprimento da Lei Municipal 5.917/17, que torna obrigatório o atendimento preferencial às pessoas com TEA nos estabelecimentos públicos e privados do município de Campo Grande. A Lei prevê o uso do laço identificador do TEA nas placas direcionadas aos atendimentos prioritários.

 

Durante reunião realizada na sede do Procon no dia 9 de outubro do ano passado, ficou acordado entre o Procon e representantes comerciais, que, o prazo para ações orientativas e educativas sobre a problemática seria até o dia 31 de dezembro. Após essa data, seriam implementadas ações fiscalizatórias podendo resultar em multas aos estabelecimentos que descumprirem a Lei e demais dispositivos que firam o CDC (Código de Defesa do Consumidor) e outras Leis que tratam de atendimento prioritário.

 

Ainda durante a reunião, o subsecretário Valdir Custódio apresentou um modelo inédito de placa de atendimento preferencial, contendo todas as prioridades, condensando em um só material todo aspecto legislativo relacionado à questão da preferência de atendimento. “Eu não vou multar antes que todos tenham o conhecimento da Lei e a importância do atendimento prioritário”, comentou Valdir.

 

A equipe de fiscalização do Procon deu início as fiscalizações nos Shoppings da Capital. O fato que chamou positivamente a atenção dos fiscais foi o número de lojas autuadas. Somente duas lojas do Shopping Norte Sul não possuíam o laço identificador na placa de prioridade. Ambas receberam auto de infração e terão um prazo para prestar esclarecimentos.

 

O símbolo a ser inserido nas placas de atendimento prioritário refere-se ao constante no anexo único da presente Lei, o qual é representado por uma fita feita de peças de quebra-cabeças coloridas, que representa o mistério e a complexidade desta patologia. Destacando que seu descumprimento pode acarretar ao fornecedor uma multa fixada em R$ 800,00, com acréscimo de 50% em caso de reincidência.

Hering investe em loja omnichannel e com todas as linhas da marca para consumidor escolher livremente o seu estilo

Com a estratégia de diversificar os formatos de loja, facilitar as escolhas dos consumidores e propiciar melhores experiências para seu público, a Hering abriu mais uma loja especial, no Park Shopping São Caetano (SP), onde reúne, em um mesmo local, todas as suas linhas: Hering, Hering Kids, Hering POP, Hering Intimates e Hering Pets.

 

Inspirado no design e na oferta das melhores experiências oferecidas por outros espaços da marca, o ponto de venda foi projetado para que os consumidores sejam livres para escolherem o seu estilo.

 

A ideia desta loja é facilitar e tornar única a jornada de consumo. Isso é possível, já que, ao invés de o consumidor precisar transitar entre várias lojas para encontrar os itens de sua necessidade, ele vai localizar no ponto de venda tudo o que precisa para si próprio e para a sua lista de presentes.

 

A marca apresenta os itens de moda femininos e masculinos na entrada da unidade e, na parte central, inclui as camisetas básicas e o quiosque Hering POP, com peças que dialogam com temas como filmes, séries, comportamento, games, música e literatura. Neste mesmo espaço, os consumidores podem customizar as suas camisetas Hering e agregar um toque de personalidade a estas roupas.

 

Na segunda metade da loja, são reservados espaços para as linhas Kids – onde as crianças podem se divertir em um cantinho de brincadeiras –, underwear, intimates e pets. Próximos aos caixas estão produtos de papelaria e demais itens presenteáveis.

 

Nos provadores, há um consultor de moda, que pode oferecer dicas de estilo e de looks para todos os consumidores. Este profissional ficará todos os dias, a partir das 14h.

 

A mega store está integrada ao omnichannel, colaborando para que o consumidor realize, retire ou receba as suas compras da forma que desejar.

 

 

Sindicato Rural de Campo Grande auxiliará produtores rurais a expor em feiras internacionais; veja a relação dos países

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) articula a participação do setor produtivo em eventos internacionais. O objetivo é organizar missões comerciais para atrair investimentos e promover a produção agropecuária. O Sindicato Rural de Campo Grande, Rochedo e Corguinho (SRCG) auxiliará os associados interessados a se inscreverem e a estreitar relação com a equipe do Mapa.

 

“Planejamos reunir os empreendedores rurais que possuam produtos adequados à exportação ou mesmo os associados que tenham intenção conhecer a realidade sobre determinados mercados”, explica o presidente do SRCG, Alessandro Coelho.

 

“Mato Grosso do Sul se consolidou na exportação de commodities, mas tem potencial para outros produtos, inclusive os artesanais. Temos muito o que mostrar fora do Brasil e também o que aprender. É uma oportunidade ímpar para promover  intercâmbio e concretizar negócios”, completou o presidente.

 

Verifique abaixo a lista com as feiras previstas para 2020, com as respectivas datas, municípios e países:

Biofach 2020  — Nuremberg, Alemanha,12/fev a 15/fev/2020

Food and Hotel Asia 2020  — Singapura, 31/03 a 03/04/2020

EXPO ANTAD & Alimentaria 2020 — Guadalajara, México, 31/03 a 02/04/2020

SIAM 2020  — Meknes, Marrocos, 14 a 19/04/2020

SIAL Canada 2020  — Montreal, Canadá, 15/04 a 17/04/2020

Seoul Food and Hotel 2020  — Coreia do Sul, 19/05 a 22/05/2020

THAIFEX 2020  — Bangkok, Tailândia, 26 a 30/05/2020

SAITEX 2020  — Joanesburgo – África do Sul, 21 a 23/06/2020

 

Para mais informações os associados devem procurar o SRCG presencialmente, pelo telefone (67) 3341-2656 ou acessar diretamente a plataforma do Mapa >

http://www.agricultura.gov.br/assuntos/relacoes-internacionais/eventos-internacionais/feiras-internacionais

 

Em Campo Grande, correspondente bancário é autuado pelo Procon Estadual por desrespeito à legislação e aos clientes

Diligência realizada por equipe da Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor – Procon/MS, órgão integrante da  Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho – Sedhast, atendendo a denúncia formalizada por consumidor, detectou várias irregularidades em empresa de  prestação de serviços  como correspondente bancário  situada na Rua 13 de Maio que,  de  alguma maneira,  traz transtornos à vida dos consumidores que para lá se dirigem.

 

Entre os problemas verificados,  destaque para  a ausência de placas que identifiquem local de atendimento prioritário a idosos, portadores de necessidades especiais, gestantes, lactantes, mães com crianças ao colo e pessoas com transtorno de Espectro Autista (autismo), além de desobediência à legislação que determina a disponibilidade de  instalações sanitárias para os clientes.

 

O estabelecimento não apresenta  controle a respeito do tempo de espera pelo atendimento, que  deveria ser idêntico ao expediente bancário, uma vez que não dispõe de  emissão eletrônica de senhas que  registrem a hora de  entrada e saída do consumidor. Biombos ou estrutura similar que possa proporcionar privacidade  aos  consumidores, principalmente  quando estiverem realizando saques.

 

Em função dos problemas encontrados foi expedido auto de infração e  determinado prazo para defesa e  correção das irregularidades, sob pena de ser arbitrada multa  devido à inobservância  da legislação. Todo consumidor tem direito a  reclamações  ou denúncias. Para isso, convém ligar 151, das 07h até as 18h30, de segunda a sexta-feira ou pelo whatsapp (67) 9 9158-0088 ou se dirigir à sede do Procon Estadual à rua 13 de junho 930. No site procon.ms.gov.br, também está disponível o aplicativo fale conosco que pode ser utilizado para denúncias.

 

Foto: Procon MS

Mato Grosso do Sul constituiu 7 mil empresas em 2019, ano de simplificação da burocracia e incentivos pela Junta Comercial

A Jucems (Junta Comercial de Mato Grosso do Sul) teve em 2019, o melhor número de abertura de empresas dos últimos seis anos. Foram 7.087 novos empreendimentos em 12 meses, montante 11,43% superior que os 6.360 registrados em 2018.

 

Mudanças no âmbito da Rede Sim e da Liberdade Econômica contribuíram para facilitar os processos de abertura e fechamento de empresas no Estado. O presidente Augusto César Ferreira de Castro, explica que entre os principais ganhos estão o registro automático que corresponde a 50% da abertura de empresas, a retirada da taxa para registro de extinção e a dispensa dos procedimentos de alvará para 287 atividades consideradas de baixo risco.

 

“Tivemos grandes avanços em 2019 com a lei de Liberdade Econômica atuando na simplificação das juntas comerciais, e em 2020 queremos ampliar a integração de sistemas dos municípios com a Secretaria de Fazenda e a Jucems, assim como já ocorre com Campo Grande. Isso para que a gente consiga consolidar todos os princípios da liberdade econômica, criando um ambiente de negócio de abertura e fechamento de empresas mais favorável”, afirma o titular da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), secretário Jaime Verruck.

 

Além do bom resultado com as constituições, o saldo entre empresas abertas e extintas, em 2019 atingiu o maior ganho líquido dos últimos cinco anos. O resultado é de 3.957 empresas, 27,03% maior que as 3.115 de 2018.

 

O levantamento anual também mostra que o setor de serviços se mantém como o principal segmento econômico, responsável por 62,9% das empresas abertas em 2019. Seguido pelo comércio com 32,6% e a indústria com 4,35%. Transporte de cargas, restaurantes, comércio de vestuário e construção de edifícios estão entre as principais atividades escolhidas no ano passado.

 

Na divisão por município, Campo Grande é o campeão em novas empresas em 2019, respondendo por 42% ou 3.005 novos cnpjs, em seguida Dourados (11,2%), Três Lagoas (4,9%) e Ponta Porã (3,5%).

Semagro discute com setor produtivo a criação do fundo privado em defesa da agropecuária de Mato Grosso do Sul

Como uma das metas previstas no cronograma do Plano Estratégico do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA), que prevê a retirada da vacinação em todo País, os estados devem manter fundos para defesa agropecuária, com recursos para atender situações emergenciais, pagar possíveis indenizações e ainda realizar ações de prevenção a enfermidades.

 

Em Mato Grosso do Sul, o Governo do Estado possui o Refasa, um fundo estratégico com conceito mais amplo do que apenas a indenização no caso de sacrifício de animais para erradicação de doenças, mas que pode também custear ações preventivas no processo de defesa sanitária, como a implantação de boas práticas agropecuárias, focada na defesa animal, e estruturação, realinhamento, atualização e capacitação dos servidores da Agência, a estruturação do laboratório de diagnóstico e defesa, ou o reforço nas operações para fiscalização do trânsito em regiões específicas do Estado. O Refasa (Reserva Financeira para as Ações de Defesa Sanitária Animal) recebe recursos oriundos da cobrança da taxa de atualização do Cadastro da Agropecuária e do Estoque de Animais Bovinos e Bubalinos.

 

Para que o Estado consiga cumprir todo o compromisso, o secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck, convidou representantes do setor produtivo e do grupo que compõe a comissão do PNEFA, para uma conversa prévia sobre a escolha o melhor modelo de fundo privado para o Estado.

 

Reunião aconteceu na Semagro

Indutor da discussão, Jaime lembrou que já foram realizadas várias reuniões em todo o País, onde representantes da Semagro e Iagro participaram e tiveram a oportunidade de saber mais sobre as dificuldades e vantagens dos fundos privados que basicamente tem por finalidade as indenizações de animais e coisas destruídas por ocasiões de emergências zoossanitárias e para complementação de recursos para as ações e modernização da defesa sanitária animal, visando dar sustentação ao sistema de saúde animal e ao setor pecuário.

 

Empenhados em atender as exigências do Ministério da Agricultura para que o Estado esteja apto para a retirada da vacinação contra a febre aftosa, prevista para 2021, que resultará no reconhecimento do Estado como ‘livre de febre aftosa sem vacinação’ até 2023, condição para abertura de novos mercados e consequente crescimento da economia de Mato Grosso do Sul, o grupo aguarda pelo relatório de uma consultoria contratada pelo Ministério da Agricultura, para usar como base na escolha do modelo de fundo privado.

 

“Sabedores de que, no ano passado, o Ministério [da Agricultura] contratou uma consultoria para realizar estudos sobre qual seria o melhor modelo de fundo, e que o resultado deste trabalho deverá ser entregue dentro de 90 dias, o grupo decidiu por aguardar esse material que servirá como base para escolha do melhor modelo para o Estado”, comentou o diretor-presidente da Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal), Daniel Ingold.

 

Além da Semagro e Iagro, também participaram da reunião realizada nesta semana, representantes do Sicadems (Sindicato das Indústrias de Frios, Carnes e Derivados do Estado), da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária MS), Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e Fiems.