Cesta Básica em Dourados fechou com queda de preços em janeiro, segundo pesquisa realizada pela UFGD

O valor da Cesta Básica do mês de janeiro/2020, comparado com o mês de dezembro/2019, apresentou queda de 6,82%, é o que constata a pesquisa realizada pelos acadêmicos do curso de Ciências Econômicas UFGD, realizada na última semana do mês de janeiro e primeira de fevereiro de 2020.

Os produtos que compõem a Cesta Básica, conforme o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), de acordo com a Lei Nº 399 que estabelece o salário-mínimo são: açúcar, arroz, banana, batata, café, carne, farinha de trigo, feijão, leite, margarina, óleo de soja, pão francês e tomate. Os preços da cesta básica de dezembro/2019 com estes produtos ficaram em R$ 438,58 o que significa 43,95% do salário-mínimo, que foi de R$ 998,00. E no mês de Janeiro de 2020 o trabalhador douradense teve que destinar uma quantia menor para a compra dos produtos componentes da cesta básica, que foi de R$ 408,67, o que equivale a 39,33% do salário-mínimo, que no mês de janeiro teve um aumento nominal correspondente a R$ 1.039,00.

Com este aumento do salário de janeiro/2020, o trabalhador brasileiro teve uma perda, já que a inflação acumulada no ano de 2019 chegou a 4,31%. Mas esta situação foi corrigida em fevereiro com o reajuste do salário-mínimo que chegou a R$ 1.045,00. Já no âmbito nacional, o maior preço da Cesta Nacional no mês de janeiro/2020 foi registrado em São Paulo, com R$ 517,51; seguida por Rio de Janeiro com R$ 507,13 e a terceira capital com maior preço da Cesta foi Porto Alegre, com R$ 502,98. O valor da Cesta do ano de 2019 teve um aumento em 11 das 17 capitais do país, conforme constata o DIEESE. O resultado dos preços da Cesta Básica é um indicador muito importante para toda a economia brasileira, já que reflete a situação dos preços no setor de alimentos.

No mês de janeiro/2020, os menores preços foram encontrados na capital do estado da Paraíba, João Pessoa com R$ 388,02; Salvador (Bahia) com R$ 376,49 e com o menor preço da Cesta Básica do país no mês referido foi registrado em Aracaju (Sergipe) com R$ 368,69. Observamos que os menores preços foram praticados nas capitais da região Nordeste do país, fato este que se repete desde o início da pesquisa.

Comparado com a capital do estado de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, onde o preço da Cesta no mês de janeiro/2020 foi de R$ 458,00, a Cesta douradense é menor que a capital. Desta vez, o preço da Cesta Básica douradense do mês de janeiro/2020 superou aos preços praticados em 4 capitais estaduais do país, estas são: Natal, João Pessoa, Salvador e Aracajú, conforme o DIEESE.

A partir da Constituição Federal de 1988 o trabalhador brasileiro deve trabalhar 220 horas mensais, com isso, no mês de dezembro/2019, um trabalhador douradense para pagar a cesta básica tinha de trabalhar 96 horas e 41 minutos. E no mês seguinte, janeiro/2020, este mesmo trabalhador precisou de um tempo menor para comprar alimentos que foi de 86 horas e 32 minutos, isto representou um ganho do poder de compra do salário do trabalhador douradense comparado com o mês de dezembro/2019. Este ganho ocorreu devido à queda dos preços da Cesta Básica douradense no mês de Janeiro assim como o aumento do Salário Mínimo que acontece no primeiro mês de cada ano.

Dos 13 produtos que compõem a Cesta Básica, 8 apresentaram um aumento dos seus preços no mês de janeiro em Dourados. Estes produtos que aumentaram de preços foram: a farinha de trigo, com o maior aumento, chegando a 10,82%; o açúcar com 2,88%; o café com 2,79% de elevação de preços; outros produtos que também aumentaram de preços foram a batata com 2,53%, a margarina com 2,39%; óleo de soja com 1,64%, o pão francês com 1,50% de aumento e, com uma pequena elevação de preços, o leite com 0,63%.

E 4 produtos que registraram queda de preços no mês de janeiro/2020 se comparado com o mês de dezembro/2019, estes foram: a banana com uma queda de 33,9%; a carne com 9,98%; o feijão com uma queda de 3,39% e com uma pequena queda o arroz fechou 0,90%. A queda acentuada da carne corroborou muito para a diminuição de preços da Cesta Básica em Dourados no mês de janeiro, após uma elevação muito forte nos dois últimos meses do ano de 2019. E o tomate fechou sem nenhuma variação no mês de janeiro, se compararmos com o mês de dezembro.

Apesar da queda dos preços dos produtos da Cesta Básica como foi em janeiro/2020, é recomendado aos consumidores douradenses a pesquisa nos diversos supermercados da nossa cidade. O supermercado que praticou o preço mais elevado da cidade foi de R$ 433,40 e o menor com R$ 373,40, com os mesmos produtos; isto representa uma diferença de R$ 59,99; ou seja, 16,07% menor. Também vale a pena verificar os levantamentos realizados pelo PROCON do município, que disponibiliza suas pesquisas no início de cada mês. O método facilita a comparação dos preços praticados por cada estabelecimento ao apresentar os nomes de cada estabelecimento e os respectivos preços de cada produto.

Conforme o DIEESE, e levando em consideração a determinação da Constituição Nacional, o salário-mínimo deve ser suficiente para cobrir as despesas do trabalhador brasileiro e de sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência. Dessa maneira, em dezembro de 2019, o salário-mínimo necessário para a manutenção de uma família de quatro pessoas deveria equivaler a R$ 4.342,57, isso significa 4,35 vezes mais do que o mínimo vigente que foi de R$ 998,00. Ainda, no mês de janeiro/2020, o salário-mínimo necessário era de R$ 4.347,61, que representa 4,18 vezes do salário reajustado de R$ 1.039,00.