Com aval do Governo, empresários acessam linhas de empréstimo em Mato Grosso do Sul

 

Pequenos empresários de Mato Grosso do Sul que precisam de financiamento para investir no próprio negócio já podem acessar as linhas de crédito do Programa Estadual de Microcrédito Produtivo e Orientado, o +CréditoMS, lançado pelo Governo do Estado dentro do pacote de quase R$ 800 milhões de retomada da economia no pós-pandemia.

 

Na sexta-feira(10), na Governadoria, os sete primeiros contratos do programa foram assinados em cerimônia com as presenças do governador Reinaldo Azambuja, do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Paulo Corrêa, e do presidente da Funtrab (Fundação de Trabalho do Estado), Marcos Derzi, que gerencia o +CréditoMS.

 

A microempreendedora individual Inaile Caroline de Kochham Arce, dona de um carrinho de cachorro-quente perto do Lago do Amor, em Campo Grande, foi uma das contempladas. Ela pegou empréstimo de R$ 1 mil, com juro zero, para investir e ampliar a fonte de renda. O financiamento será pago em 24 meses, incluindo carência de seis meses.

 

“Nesta pandemia muitos empresários fecharam as portas porque não resistiram. Então, esse crédito ajuda a levantar nossa economia. Muita gente vai investir e crescer com esse apoio. Vai ser muito bom para mim, como para os outros”, disse. “Com esse dinheiro vou investir no meu negócio, crescer, divulgar e fazer entregas. Esse é meu objetivo”, completou.

 

Microempreendedora, Inaile tem um carrinho de cachorro-quente próximo ao Lago do Amor, na Capital

 

O +CréditoMS oferta em todo o Mato Grosso do Sul linhas de crédito de até R$ 30 mil. Podem participar do programa pessoas físicas ou jurídicas de qualquer atividade econômica, caracterizadas em seis categorias: I – pessoas físicas empreendedoras ou que pretendam empreender; II – microempreendedores individuais; III – micro e pequenos empreendedores; IV – microempresas; V – microempreendedores informais, que se obriguem a regularizar seu empreendimento; e VI – produtores rurais familiares.

 

Bruno emprega seis pessoas em um restaurante de peixes

Dono de um restaurante na Rua Euclides da Cunha, na Capital, Bruno Henrique de Andrade conseguiu financiamento do valor máximo, R$ 30 mil, que também será pago em 24 vezes, com carência de seis meses e sem juros. “Essa ajuda financeira será muito importante para nosso negócio, para colocar as contas em dia e para manter os empregos que geramos. Vai dar um gás a mais para passarmos por essa crise”, destacou ele, que emprega seis funcionários.

 

Para o governador Reinaldo Azambuja, o propósito do +CréditoMS é justamente fazer girar a roda da economia, impactada pela pandemia de covid-19: “queremos prosperidade, que os negócios cresçam e gerem oportunidades de emprego e renda”.

 

O governador lembrou que o programa de microcrédito será permanente, embora tenha sido lançado na crise sanitária. “Esse apoio vai continuar depois da pandemia”, afirmou. Ele ainda ressaltou que o Estado teve capacidade de estender a mão para todos os segmentos afetados pela situação pandêmica, como a cultura, o turismo e também a área social, atendendo famílias carentes do Mato Grosso do Sul.

 

O presidente do Comitê Gestor do Prosseguir (Programa de Saúde e Segurança na Economia), Eduardo Riedel, pontuou que o +CréditoMS “é um instrumento realmente importante no processo de aquecimento da nossa economia”. “Com ele, vamos reconstruir, potencializar e ajudar as pessoas a resgatarem suas atividades econômicas”, falou.

 

Estado teve capacidade para estender as mãos aos que mais precisam, avaliou Reinaldo Azambuja

 

Regras do +CréditoMS

 

Pela regulamentação do programa, o +CréditoMS tem a finalidade de reinserir no cenário econômico os micros e os pequenos empreendedores formais e informais; incluir aqueles que pretendam empreender novos negócios de pequeno porte; e reduzir o desemprego a partir do surgimento de novos empreendimentos.

 

Nele, o Sebrae-MS (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Mato Grosso do Sul) vai apoiar os empreendedores na melhoria do processo de gestão de seus negócios, podendo este apoio se dar por meio de orientações, consultorias ou capacitações, de forma remota ou presencial.

 

Presidente da Funtrab faz o gerenciamento do programa

O diretor-presidente da Funtrab explicou as condições para tomar o empréstimo. “Aqueles que não faturem mais de R$ 360 mil por ano podem aderir. E também pessoas físicas que queiram empreender, e não pagar contas domésticas. Para ter acesso, a pessoa tem que baixar no celular o aplicativo ‘MS Contrata+ para Trabalhadores’. Lá tem o link para se cadastrar. Após isso, será feita uma análise técnica para ver se a pessoa se enquadra no programa. Depois, encaminharemos esse cadastro para instituição financeira, onde será feita análise de crédito. Aí sim, a pessoa terá acesso ao crédito”, contou Marcos Derzi. Por enquanto, as cooperativas Sicredi e Sicoob estão ofertando as linhas de financiamento do +CréditoMS.

 

O download do aplicativo ‘MS Contrata+ para Trabalhadores’ pode ser feito em celulares Android (https://play.google.com/store/apps/details?id=br.com.bluetrix.contratamais) e iOS (https://apps.apple.com/us/app/ms-contrata-p-trabalhadores/id1544791407).

 

“Esse programa é a roda do sucesso. Se os empresários prosperam, também prospera o Mato Grosso do Sul”, declarou o presidente da Assembleia, deputado Paulo Corrêa. Também participaram da cerimônia de liberação dos sete primeiros contratos do +CréditoMS os secretários Jaime Verruck (Semagro), Sérgio de Paula (Casa Civil), Felipe Mattos (Sefaz), Flávio César (interino da Segov) e Adriano Chadid (em exercício da Sedhast); os deputados estaduais Coronel Davi e Gerson Claro; e o deputado federal Beto Pereira.

 

Com aval do Governo, instituições financeira ofertam empréstimos de até R$ 30 mil pelo programa +CréditoMS

 

Um dos mais importantes no turismo, setor de alimentos é reconhecido como essencial

 

Um dos setores que mais sofreu com a crise gerada pela pandemia de coronavírus ganha um fôlego a partir de quarta-feira (08). Através da Lei nº 5.714, publicada no Diário Oficial do Estado (DOE), o Governador Reinaldo Azambuja reconheceu o comércio de alimentos realizado por restaurantes em geral, como essencial para a população de Mato Grosso do Sul em tempos de crises ocasionadas por moléstias contagiosas.

 

 

Uma pesquisa de Demanda Turística do Observatório do Turismo de Mato Grosso do Sul (ObservaturMS), realizada no primeiro trimestre de 2020 (pré-pandemia) com turistas que visitaram destinos do Estado, mostra a importância do setor de Alimentos e Bebidas para o turismo. Entre os 20 atrativos mais visitados, bares estão na 5ª colocação, enquanto os restaurantes foram os mais citados pelos visitantes.

 

 

Para o diretor-presidente da Fundação de Turismo do MS, Bruno Wendling, esta foi uma decisão acertada. “O setor de alimentos e bebidas é um dos mais importantes da cadeia do turismo e atende também outros serviços essenciais. Além disso, foi um dos primeiros a implantar e um dos que mais respeitou os protocolos de biossegurança desde o início da pandemia”, ressalta.

 

Segundo texto publicado no Diário Oficial do Estado (DOE), os protocolos de biossegurança ainda devem ser respeitados. “Havendo a autorização para a abertura dos restaurantes, imprescindível se faz a adoção das medidas de biossegurança recomendadas pela Organização Mundial da Saúde, as quais estarão contidas em Decreto expedido pelo Poder Executivo competente”.

 

Ainda de acordo com a Lei, “o Poder Público poderá impor restrições à atividade prevista no caput, nas situações excepcionais de emergência e calamidade públicas, as quais serão precedidas de decisão administrativa fundamentada da autoridade competente, que deverá expressamente indicar a extensão, os motivos e critérios científicos emitidos em parecer da Secretaria de Estado de Saúde embasadores das medidas impostas”.

 

Para o presidente da Abrasel, Juliano Wertheimer, esta é uma Lei muito importante para o setor. “Esta Lei resguarda, protege e garante a atividade econômica de bares e restaurantes durante a pandemia caso surjam novas restrições. Acreditamos que o pior já passou pelo alto índice de vacinação que tem o nosso Estado, então não acreditamos num retrocesso quanto às restrições da nossa atividade. Mas, caso aconteça, o setor fica resguardado. Vimos que durante essa pandemia os bares e restaurantes foram um dos mais atingidos, tiveram a sua renda, seu faturamento completamente dizimados, milhares de trabalhadores sul-mato-grossenses ficaram desempregados. Então essa Lei garante a manutenção da nossa atividade em ocorrências futuras”, explica Wertheimer.

 

Recuperação do setor

 

Pesquisa realizada pela Abrasel em agosto de 2021 com 1.272 estabelecimentos de todo o Brasil mostra que o índice de empresas trabalhando no prejuízo caiu para 37% em julho, contra 54% em junho e 77% em abril.