Irregularidades em produtos expostos levam Procon Estadual a autuar supermercado

 

Após receber denúncias, integrantes da fiscalização da Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor – Procon/MS realizaram diligência no Supermercado Goianos localizado no Jardim Santa Emília, onde foram confirmadas as alegações dos cidadãos e constatadas inúmeras irregularidades em prejuízo dos consumidores e, em razão disso, expedido auto de infração que posteriormente poderá se transformado em multa.

 

Em meio aos problemas flagrados pelo órgão integrante da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho – Sedhast, destaque para a presença de  produtos de origem animal sem informações necessárias ao consumidor. A fiscalização encontrou 59 quilos e 390 gramas de carne bovina, aproximadamente 13 quilos de bucho e 1,850 quilos de  mocotó e 25 peças de queijo caipira nos quais não constavam, por exemplo, procedência,  data de processamento e validade.

 

Com prazo de validade expirado estavam expostos à venda 33 unidades de  biscoitos diversos,  16 pacotes de temperos,  mistura para bolo, creme de leite, farináceos,  geleia de mocotó shampoo. No local foram encontrados, também , produtos impróprios para o consumo por aparentarem deterioração e presença de  parasitas como é o caso de  três vidros de  palmito em conserva e farinha de rosca.

 

SESI certifica com Selo Ouro 44 empresas que promovem combate efetivo à pandemia

 

Retomar as atividades produtivas com 100% dos industriários imunizados é o principal objetivo do programa Selo Ouro, implementado pelo Sistema FIEMS, por meio do SESI. A iniciativa visa reconhecer as empresas de Mato Grosso do Sul que promovem o combate efetivo à pandemia e mantêm medidas de prevenção contra a doença. Até o momento 44 empresas comprovaram contar com todos os seus colaboradores vacinados.

 

Desse universo, 29 empresas estão em Campo Grande; duas em Nova Andradina e em Três Lagoas; e uma nas cidades de Anastácio, Bonito, Caarapó, Corumbá, Dourados, Jardim, Juti, Mundo Novo, Naviraí, Ponta Porã e Terenos. Todas as empresas receberam o Selo Ouro em formato digital. Dessas, sete já receberam o selo em formato físico. A expectativa é que, ainda em novembro, mais 17 selos físicos sejam entregues.

 

Entusiasta do programa, o presidente da FIEMS (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul) Sérgio Longen confia que a iniciativa irá contribuir para a retomada da economia local. “Buscamos as empresas que fizeram adesão ao projeto, certificamos a empresa segura para trabalhar com um Selo Ouro e também certificamos os trabalhadores dessa empresa. É uma forma de a gente manter todos mobilizados em prol da vacina e, com isso, retomar as atividades econômicas e sociais o mais breve possível”.

 

Selo Ouro do SESI é reconhecimento aos esforços das empresas 

 

A criação do programa Selo Ouro foi motivada pela necessidade de reconhecer as indústrias que alcançaram excelência na adoção de medidas preventivas no combate à covid-19, e que não mediram esforços para que todos os seus colaboradores ativos fossem vacinados com pelo menos uma dose da vacina.

 

Em um primeiro momento, as empresas elaboram relatórios com dados dos trabalhadores imunizados. Essas informações são posteriormente validadas por técnicos de Saúde e Segurança do Trabalho (SST) do SESI. Se a empresa atender os critérios do programa, receberá o selo em formato físico e virtual.

 

Além de reconhecer as empresas empenhadas na imunização, o programa Selo Ouro também serve de instrumento para a busca ativa dos não vacinados. Quando as empresas são contatadas, a equipe do SESI se oferece para ir aos locais de trabalho para aplicar a vacina aos colaboradores que ainda não se imunizaram. Esse trabalho é de fundamental importância para a retomada segura da economia, na visão de Sérgio Longen.

 

“A gente está indo de porta em porta, buscando a segunda dose de quem não vacinou ainda. As pessoas devem entender que a vacina é uma forma segura de proteger a si e a todos que estão ao seu lado. Nosso objetivo é muito claro: convencer as pessoas que a vacina é segura e traz segurança a todos nós”.