Reinaldo fortalece ações de fomento ao turismo e as de motoristas de apps

 

Ações de fomento ao turismo e de incentivo aos motoristas de aplicativo e de táxi foram destaque em Mato Grosso do Sul nesta semana, quando o governador Reinaldo Azambuja se reuniu com as categorias para potencializar as atividades econômicas no Estado.

 

No turismo, o anúncio de uma ligação aérea inédita entre Bonito e São Paulo, por meio do aeroporto de Congonhas, animou o setor. Referência mundial no ecoturismo, o município sul-mato-grossense terá conexão direta com a maior cidade da América do Sul a partir de 2 de dezembro de 2021.

 

A ligação só será possível graças ao termo de acordo de incentivos fiscais firmado entre o Governo do Estado e a Gol Linhas Aéreas. Inédito na história do Mato Grosso do Sul, o novo voo entre Bonito e São Paulo será realizado sempre as quintas-feiras e domingos. As passagens já estão à venda no site da empresa.

 

Segundo Reinaldo Azambuja, a nova rota da companhia aérea, que já opera em Campo Grande e Dourados, se torna possível graças ao programa “Decola MS”, lançado em 2017 para reduzir a cobrança de impostos sobre o combustível da aviação e facilitar a abertura de novos voos comerciais em Mato Grosso do Sul.

 

“O ‘Decola MS’ veio para baratear o ICMS do querosene, prospectando novos voos, como o anunciado entre Congonhas-Bonito. Temos esse programa que potencializa a abertura de novos voos para vários destinos. Com ele, abrimos mão de tributo para gerar movimentação econômica, com hotéis, passeios, bares e restaurantes cheios”, destacou o governador.

 

Motoristas de apps

 

Para o setor dos motoristas de aplicativo e de táxi, Reinaldo Azambuja garantiu que vai criar uma política estadual de incentivo às categorias. Isso porque eles têm enfrentado dificuldades para se manter na profissão desde o início da pandemia de covid-19, devido aos custos operacionais elevados da atividade, como manutenção veicular a preço dos combustíveis.

 

“Montamos um grupo de trabalho que rapidamente vai criar uma política estadual em apoio a todo esse segmento”, garantiu Reinaldo Azambuja. Segundo ele, o objetivo é “fortalecer a categoria, gerar oportunidades e, principalmente, devolver renda aos motoristas, além de dar mais competitividade à atividade econômica”.

 

Também nesta semana, o governador enviou à Assembleia Legislativa três projetos de lei que contribuem com o desenvolvimento econômico e social do Estado. Entre eles, o que reduz em 3 pontos percentuais o ICMS da conta de luz para todos os consumidores enquanto durar a bandeira de escassez hídrica. Com a proposta, o Governo abre mão de R$ 36 milhões a cada trimestre.

 

O projeto já foi aprovado em primeira discussão na Casa de Leis e agora precisa ser votado em segunda para ser sancionado pelo governador. Essa é a mesma situação das outras duas propostas legislativas apresentada pelo Executivo nesta semana: a que cria o programa “MS Alfabetiza – Todos pela Alfabetização da Criança” e que trata sobre as Organizações Sociais.

 

Comerciantes estendem horários e se sentem mais seguro com viaturas nos bairros

 

Com o aumento de viaturas nos bairros da Capital, após a implantação do programa OCOP (Obtenção de Capacidade Operacional Plena) da Polícia Militar, comerciantes revelaram que estenderam o horário de atendimento e se sentem mais seguros com a presença da polícia, que conseguem inibir eventuais roubos e furtos nos estabelecimentos.

 

Viaturas para programa OCOP

O programa que começou em julho colocou mais 48 viaturas para reforçar as rondas em toda a região metropolitana de Campo Grande, para que além da prevenção, possas dispor de um atendimento mais rápido nas ocorrências. Os veículos são monitorados em tempo rela, por uma sala de situação no Comando Geral da PM.

 

Edilson Aguirre, dono da Choperia e Pizzaria Aguirre, que fica no bairro Nova Lima, contou que o aumento de viaturas na região é muito bom  para os comerciantes e empresários, que se sentem mais seguros. “Estou achando bom esta presença maior de policiais e viaturas, pois assim sofremos menos com roubos e furtos. Aqui, durante pandemia, estavam roubando até lâmpadas”, relatou.

 

Comerciante Marco Aurélio Ferreira

Edilson revelou que sua Choperia fica aberta agora até meia-noite. “Além de mais segurança, também tivemos o fim do toque de recolher, que nos permitiu ficar até mais tarde. Já trabalho há 20 anos no ramo e montei meu negócio faz quatro anos”, descreveu o empresário.

 

Marco Aurélio Ferreira, dono do “Marcão Lanches”, também no Nova Lima, relatou que além das viaturas darem maior sensação de segurança aos moradores e comerciantes, os atendimentos também estão mais rápidos. “Estou seguindo agora com os lanches até as 3 da manhã e ajuda muito a polícia estar mais presente no bairro, onde já trabalho no ramo há 13 anos”.

 

Prevenir e coibir crimes

 

Empresário Waldilei Borges de Almeida

O empresário Waldilei Borges de Almeida, dono do Palácio Móveis e colchões, que fica na Avenida Júlio de Castilho, destacou que a presença das viaturas na região inibem os “criminosos” para eventuais furtos e roubos.  “Com mais viaturas fazendo as rondas os bandidos se sentem ameaçados. Muitos comerciantes aqui já reclamaram de roubos e minha loja fica ao lado de uma agência bancário, por isso o cuidado é redobrado”.

 

Vilson Oliveira, proprietário da Conveniência do Nenê, descreve que agora as viaturas passam diariamente em frente ao seu comércio. “Ajuda a ter mais segurança e deixar os criminosos cada vez mais longe, pois intimida eventuais roubos. Ficamos abertos aqui até às 2 da manhã”, relatou.

 

Governador Reinaldo Azambuja 

O programa OCOP começou pela região metropolitana de Campo Grande, com abrangência a 1.035.833 pessoas, que além da Capital incluem os municípios de Bandeirantes, Corguinho, Jaraguari, Ribas do Rio Pardo, Rochedo, Sidrolândia e Terenos. Ele conta com uma atuação diária de 90 policiais e 500 disponíveis para o projeto.

 

O secretário estadual de Segurança, Antônio Carlos Videira, afirmou que o programa é o maior projeto de policiamento preventivo da história de Mato Grosso do Sul. “Começamos na Capital, e agora haverá sua replicação para Dourados, Três Lagoas, Corumbá e Ponta Porã, fazendo com que a Polícia Militar tenha capacidade de atender o maior volume possível de ocorrências no menor espaço de tempo”.

 

O governador Reinaldo Azambuja ponderou que este investimento é para fortalecer a segurança aos cidadãos. “Nós triplicamos o número de viaturas na cidade, para ter presença de mais policiais rodando 24 horas, sendo monitoradas e acompanhadas pelo Ciops por meio de GPS, em tempo real”.

Procon-MS defende PIX e faz alerta para o consumidor não cair em golpes

 

Ferramenta que proporcionou praticidade para o consumidor na hora de realizar suas movimentações financeiras, o PIX é “extremamente importante para a relação de mercado”, conforme destaca o superintendente do Procon de Mato Grosso do Sul, Marcelo Salomão, que faz, ainda, alerta para que o usuário não caia em golpes que se tornaram cada vez mais comuns desde que a ferramenta foi lançada, em 2020.

 

Geralmente, segundo Salomão, a prática mais comum usada pelos estelionatários para conseguir transferências por PIX, é a do telefone clonado. “Eles analisam as conversas do usuário e começam a pedir dinheiro emprestado, bloqueando o telefone para que a vítima não consiga identificar. O mais importante, para evitar a clonagem, é fazer com que o seu telefone tenha duas etapas de confirmação”, disse. No caso de dúvida, o superintendente orienta o consumidor a certificar se a pessoa que está do outro lado da linha é ela mesma, marcando um encontro presencial para então fazer o PIX. “Não faça transferência por impulso, marque presencialmente. Se cerque de todas as garantias para que você não caia no golpe do empréstimo do PIX do telefone clonado. Clonagem do telefone é o primeiro passo para os estelionatários”, alertou.

 

O superintendente também destaca outro golpe muito comum nos últimos anos, aplicado através de links compartilhados pelo Whatsapp, ou outras redes sociais. “Eles mandam o link para baixar um aplicativo, como se fosse um vendedor, uma empresa ou até mesmo um amigo e, esse link, é um vírus que vai entrar nesse telefone e ver todos os dados e informações, inclusive se estiver gravado em seu celular, suas senhas bancárias. Ele vai conseguir entrar na sua conta e fazer a transferência. Então, não baixe links sem antes se certificar se ele é verdadeiro e não é uma fraude”, disse.

 

A Superintendência para a Orientação e Defesa do Consumidor recebeu número expressivo de denúncias, principalmente na pandemia, de golpes virtuais para pagamento de PIX. A facilidade da movimentação financeira por essa ferramenta é um copo cheio para os criminosos. Caso o consumidor tenha feito alguma transferência de PIX, após cair em golpe, o superintendente orienta para que procure a delegacia de polícia, registre o boletim de ocorrência e, posteriormente, formalize uma reclamação no Procon-MS. “Faça uma reclamação junto a superintendência para que possamos defender o consumidor e localizar esses estelionatários junto com a Delegacia do Consumidor”, disse.

 

Suspensão do PIX

 

Nesta semana, o Procon de São Paulo solicitou a suspensão da ferramenta até que o Banco Central apresente melhoras significativas para a segurança do consumidor, mas o Procon-MS sai em defesa da permanência do PIX, sem abrir mão, também, da segurança para o usuário. “A suspensão da ferramenta seria um retrocesso. Somos a favor de criar novos modelos para que o usuário tenha segurança dessa transação ou limitação de transferência, mas sempre garantindo a segurança do usuário. O Procon-MS não é contra o PIX, ao contrário, somos extremamente a favor da ferramenta, que é gratuita e tem ajudado muitos consumidores no pagamento dos seus compromissos, sem custo. Antigamente nós fazíamos transferências por DOC ou por TED e isso gera um custo para o consumidor. O PIX não! É rápido, na hora, e não tem um custo”, disse.

FIEMS recebe empresários do setor de calcário para discutir soluções de melhoria

 

A FIEMS (Federação das Indústria do Estado de Mato Grosso do Sul), representada pelo chefe de gabinete da presidência, Robson Del Casale, recebeu ontem, 17 de setembro, no edifício Casa da Indústria, em Campo Grande, empresários do setor de calcário para apresentar soluções de melhoria no ramo extrativista.

 

O objetivo do encontro foi estreitar laços com dirigentes empresariais e demonstrar como o Sistema FIEMS pode contribuir para o desenvolvimento do setor. “Oferecemos uma série de benefícios e serviços para as indústrias de Mato Grosso do Sul, que envolvem desde a qualificação profissional, recrutamento, estágios, saúde e segurança no trabalho, até a inovação de produtos e processos. É uma infinidade de serviços para auxiliar a competitividade da indústria. Essa é a razão de existir do SESI, SENAI e IEL”, afirmou o chefe de gabinete, representando no encontro o presidente da FIEMS, Sérgio Longen.

 

Sistema FIEMS ajuda empresários a conquistar mais competitividade no mercado

 

O superintendente do SESI em Mato Grosso do Sul, Régis Borges, destacou a capacidade do Sistema FIEMS de atuar em favor das demandas da indústria sul-mato-grossense. Entre escolas, bibliotecas e unidades, o Sistema está presente em 39 municípios do Estado. “Sabemos da dificuldade que muitas empresas enfrentam para encontrar mão de obra qualificada, por exemplo. Temos uma capilaridade muito grande e podemos ajudar os empresários a encontrar e formar talentos na própria região de atuação. Nossa gama de serviços é grande, e nossa abordagem junto às empresas é de entender suas dores para identificar soluções aos problemas”.

 

Durante a reunião, os empresários fizeram um breve panorama do setor e afirmaram que o mercado está aquecido atualmente. Mesmo assim, as empresas continuam buscando estímulos para aumentar a produção e enfrentar a concorrência. Nesse contexto, o superintendente do IEL, Silvio Marães, chamou a atenção para as oportunidades de negócio que devem surgir para a indústria sul-mato-grossense com a implantação da Rota Bioceânica – corredor rodoviário que será uma importante alternativa logística para interligar quatro países. “A partir dessa reunião, irei determinar ao Centro Internacional de Negócios (CIN) da FIEMS que seja realizado um estudo de viabilidade de mercados externos, como Paraguai e Bolívia, para identificar novas oportunidades ao setor de calcário”.

 

Uma das empresas ouvidas na reunião foi a Calcário Bonito Ltda, que conta com unidades em Bonito e Bela Vista. A companhia é comandada por Christian Bigaton, que também administra a Mineração Calbon, em Miranda, e a Pedreira Britamat, em Terenos. Juntas, as empresas geram cerca de 130 empregos. “As empresas do nosso ramo já atuam com elevados padrões de qualidade, e sabemos que podemos produzir até 50% a mais se contarmos com o apoio necessário”.

 

Na mesma linha, o gerente administrativo da Calcário Bela Vista, Hercílio Messias Júnior, afirmou que as empresas de Mato Grosso do Sul têm competitividade em relação aos grandes centros, mas ainda há espaço para expandir os negócios. “Temos alguns desafios em termos de logística, mas nosso produto tem qualidade e podemos crescer ainda mais”.

Durante 45 dias MS promove turismo no evento Shopping de Viagens Agaxtur em SP

 

Até o dia 30 de outubro o turismo de Mato Grosso do Sul estará nas prateleiras do evento Shopping de Viagens Agaxtur, que acontece em São Paulo. Serão 45 dias de exposição, capacitação de agentes de viagens e vendas para o público que frequenta o Shopping Eldorado, além daquele que será impactado pela divulgação na mídia e nas redes sociais.

 

Para Bruno Wendling, diretor-presidente da Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul (Fundtur), inserir os produtos turísticos do MS nas principais prateleiras de operadoras como a Agaxtur é fundamental. “A Fundtur tem esse papel de fomento e melhoria no posicionamento do turismo do Estado. A expectativa é muito boa, de um potencial aumento de vendas dos principais produtos do nosso Estado e de que possamos ficar ainda mais em evidência no mercado nacional”, ressalta.

 

Serão seis semanas de evento numa área de 334 m² no Átrio do Shopping Eldorado, em um ambiente moderno e tecnológico com grande visibilidade. O Shopping Eldorado recebe cerca 60 mil visitantes por dia, sendo 85% da classe A/B economicamente ativos, com faixa etária entre 25 e 44 anos. O evento tem a previsão de impactar 750 mil pessoas no período.

 

A diretora de Promoção e Mercado da Fundtur, Karla Cavalcanti, fala sobre a importância estratégica do evento. “O turismo está em movimento de retomada e o Shopping de Viagens Agaxtur é um evento voltado para o consumidor final. Além de pacotes para Bonito e Pantanal, este ano a Fundtur deu mais um grande passo na inclusão de novos destinos do MS em comercialização com a inclusão de pacote para Campo Grande na ação. É uma conquista importante, que mostra o sucesso da estratégia de Programa de Relacionamento com Operadoras. O Mato Grosso do Sul tem muito potencial e estamos conquistando cada vez mais espaço real no mercado”, finaliza.

 

ACICG convida associações comerciais para promover a recuperação de crédito no Estado

 

A Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG) realiza nesta quinta-feira (16/09), às 8h30min, o lançamento da 16ª Campanha de recuperação de crédito Nome Limpo em uma conferência online e exclusiva para representantes de associações comerciais do interior do Estado. Prevista para acontecer de 3 de novembro a 10 de dezembro, a nova edição do tradicional evento de negociação de dívidas será diferente em 2021, pois terá abrangência estadual.

 

“O intuito desse lançamento é convidar as associações comerciais do interior a aderirem à Campanha, explicar os procedimentos operacionais para o sucesso do evento e apresentar as vantagens da utilização do método de conciliação como forma de recuperação de crédito para as empresas do Mato Grosso do Sul”, explica a gerente de negócios da ACICG, Letícia Ribeiro, responsável pela campanha.  Os municípios participantes do evento serão definidos conforme a adesão das entidades.

 

Este ano a Associação Comercial tem levado a outras regiões do Estado toda a sua expertise em campanhas de negociação de débitos, o que resultou na realização de mutirões de conciliação nas cidades de Três Lagoas, Camapuã e Dourados.

 

Para o presidente da ACICG, Renato Paniago, a Campanha Nome Limpo é mais uma oportunidade para que as associações comerciais do interior auxiliem as empresas de suas cidades a fortalecerem a economia local. “Acreditamos que esta iniciativa será abraçada por várias entidades e, com isso, conseguiremos fazer um evento grandioso em âmbito estadual visando a quitação de débitos inadimplentes que, em muitos casos, são considerados perdidos pelas empresas, além da restituição do poder de compra dos clientes e a contribuição para que o dinheiro volte a circular na economia dessas cidades”, disse o presidente da ACICG, Renato Paniago.

 

Só em 2020, a Campanha Nome Limpo recuperou mais de R$ 3 milhões em Campo Grande. Ao longo de suas 15 edições na Capital, foram mais de R$ 303 milhões devolvidos para as empresas participantes.

 

 

Para participar da reunião ou realizar a adesão à Campanha, as associações comerciais interessadas podem entrar em contato com a ACICG, pelo telefone (67) 99846-3135 ou pelo e-mail comercial1@acicg.com.br.

Mato Grosso do Sul é o 4º no ranking de estados que facilitar abertura de empresas

Mato Grosso do Sul ocupa a quarta posição do ranking do Ministério da Economia que avalia os Estados que já dispensam a exigência de alvarás e licenças para abertura e funcionamento de empresas consideradas de baixo risco e continuam atuando para desburocratizar o ambiente de negócios e aumentar a competitividade, neste momento de retomada da economia.

 

“Hoje, o tempo para abertura de uma empresa em Mato Grosso do Sul é de apenas algumas horas, por meio da Junta Digital e é abaixo da média nacional, segundo o próprio Ministério da Economia. Essa redução no tempo e a desburocratização do processo para abrir uma empresa é fruto das ações implantadas pela Semagro e Jucems, em parceria com o Sebrae e RedeSim. Trabalhamos para atingir um indicador que seja um atrativo para que novas empresas se instalem em nosso Estado”, comenta o secretário Jaime Verruck, da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).

 

O Ranking Nacional de Dispensa de Alvarás de Licenças do Ministério da Economia é elaborado pela Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital e da Secretaria de Governo Digital e do Departamento Nacional de Registro Empresarial e Integração (DREI). Ele é baseado no atendimento aos artigos 1º e 3º da Lei Federal 13.874/2019, conhecida como Lei da Liberdade Econômica, que dispensou 300 atividades empresariais, consideradas de baixo risco, de obterem alvará e licenças para funcionamento junto aos órgãos municipais e estaduais, além de Corpo de Bombeiros, Vigilância Sanitária e Meio Ambiente.

 

Do resultado apresentado no ranking, disponível neste link, destaca-se o estado de Minas Gerais com a maior quantidade de atividades econômicas dispensadas de alvarás e licenças, com 701 atividades dispensadas, proporcionando um ambiente de negócios mais livre e favorável à abertura de empresas no estado. Destacam-se ainda o estado de Santa Catarina, que dispensa 576 atividades econômicas, e o Rio de Janeiro, com 340 atividades dispensadas. Os três estados possuem normativo próprio vigente que dispensam mais atividades que a normativa nacional (resolução 51 do CGSIM).

 

 

No outro extremo, os estados do Sergipe (292), São Paulo (258), Paraná (254), Roraima (52) e Espírito Santo (47) dispensam menos atividades econômicas em relação à classificação nacional. Já Mato Grosso do Sul encontra-se na 4º colocação juntamente com mais 19 estados, seguindo a classificação de baixo risco da União apresentada na Resolução 51 do CGSIM, com 300 atividades dispensadas de alvará de funcionamento.

 

Em Mato Grosso do Sul, a Semagro trabalha ainda na elaboração para regulamentar a Lei nº 5.626, que é a Lei Estadual de Liberdade Econômica, publicada em 17 de dezembro 2020. “O decreto contará com definição de prazo para que os órgãos estaduais elaborem suas matrizes de classificação de risco baixo, médio e alto além de definirem as aprovações tácitas quando permitido por lei e com a possibilidade de os munícipios aderirem ao decreto e classificações estaduais, muito similar ao que a união fez através do Decreto Federal 10.178/2020. E em caso de não elaboração de classificação de risco das atividades os órgãos estaduais e os municípios deverão seguir as normativas publicadas pela união por meio do CGSIM assim como já ocorre para o baixo risco de atividades econômica”, finalizou Jaime Verruck.

Exportação de industrializados do Estado registra em agosto melhor resultado mensal

 

As exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul alcançaram em agosto a receita de US$ 443,4 milhões, indicando crescimento de 32% em relação ao mesmo mês de 2020, quando o valor ficou em US$ 335,2 milhões. Esse é o melhor resultado já registrado em um único mês durante toda a série histórica da exportação de produtos industriais do Estado.

 

Segundo o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da FIEMS, Ezequiel Resende, quanto ao volume exportado, na comparação mensal, houve aumento de 1%. “Já no acumulado de janeiro a agosto de 2021, a receita total alcançou US$ 2,855 bilhões, indicando elevação de 14% em relação ao mesmo período de 2020, quando o valor ficou em US$ 2,503 bilhões”.

 

Essa é a maior receita já alcançada com a exportação de produtos industriais no período indicado, conforme Ezequiel Resende. Em relação ao volume, no acumulado de 2021, o aumento foi de 4%. “Quanto à participação relativa, no mês, a indústria respondeu por 75% de toda a receita de exportação de Mato Grosso do Sul. Já no acumulado do ano, a participação está em 58%”.

 

Grupos

 

No caso do grupo “Celulose e papel”, a receita de exportação em agosto de 2021 alcançou US$ 155 milhões, um aumento de 33% com relação ao mesmo mês em 2020, quando a receita foi de US$ 116,8 milhões. Os principais produtos exportados foram pastas químicas de madeira e outros papéis e cartões e os principais compradores foram China, Estados Unidos e Itália.

 

No grupo “Complexo Frigorífico”, a receita de produtos industrializados registrou em agosto US$ 147,2 milhões. A elevação foi de 56% em comparação com o mesmo período em 2020, quando a receita foi de R$ US$ 94,5 milhões. Os principais produtos exportados foram carnes desossadas congeladas de bovino, pedaços e miudezas congelados de frango e carnes desossadas refrigeradas de bovino. Os maiores compradores foram China, Chile e Hong Kong.

 

 

Já o grupo “Óleos vegetais e demais subprodutos de sua extração” obteve em agosto de 2021 receita de US$ 56,7 milhões, um incremento de 83% sobre o mesmo mês em 2020, quando a receita foi de US$ 31 milhões. Os principais produtos exportados foram bagaços e resíduos sólidos da extração do óleo de soja, bagaços e resíduos sólidos da extração do óleo de soja e óleo de soja e óleo de soja bruto.

Prefeitura incentiva e apoia práticas sustentáveis em cadeias produtivas

 

Na semana passada a Prefeitura de Campo Grande, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana (Semadur), avançou em frentes de trabalho voltadas à cadeia dos resíduos sólidos que resultam em uma cidade que impulsiona o desenvolvimento sustentável, pautada em uma legislação moderna, que disciplina as diretrizes relativas ao gerenciamento de resíduos sólidos.

 

Desta forma, os grandes geradores de resíduos, bem como a indústria produtora, têm suas responsabilidades a partir dos seus produtos consumidos e os resíduos gerados. E a contar de um esforço conjunto entre o poder público municipal, Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul (MPE/MS), Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul (TCE/MS) e o setor privado foi possível viabilizar a reciclagem do vidro em Campo Grande. E assim, o vidro será recepcionado, triado e triturado para posterior envio às indústrias.

 

O prefeito Marquinhos Trad apontou os esforços dos parceiros envolvidos para a concretização desse processo “São várias vertentes envolvidas na cadeia dos resíduos, o lado social com a geração de emprego e renda, a parte ambiental com a adequação das cidades de forma sustentável e legal dentro do meio ambiente. Campo Grande está bem avançada na questão da coleta dos grandes geradores”.

 

E o secretário municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana, Luís Eduardo Costa, destacou os avanços da legislação municipal que prevê os regramentos necessários para o setor “Nossa legislação voltada aos grandes geradores incentiva importantes mitigações e também incentiva negócios voltados à cadeia dos resíduos, a questão do vidro, por exemplo, é uma demanda complexa e o poder público municipal através da lei procura organizar o setor para o correto destino e de forma sustentável aos vidros”.

 

Outro grande avanço é a logística reversa dos resíduos da construção civil em Campo Grande, onde a Semadur participará do projeto interinstitucional de boas práticas denominado Reccicla, lançado pelo MPMS, por meio da 34ª Promotoria de Justiça do Meio Ambiente. O projeto será conduzido em parceria com o TCE/MS e a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), que tem como objetivo fomentar a reciclagem e o uso de agregados reciclados (provenientes da reciclagem de resíduos da construção civil) em Campo Grande. Para o financiamento da iniciativa, serão destinados R$ 400 mil de recursos obtidos por meio de acordos judiciais, Termos de Ajustamento de Conduta (TACs), entre outros, firmados pelo Ministério Público Estadual, onde a destinação deverá ser aprovada pelo MPMS, Semadur e o Conselho Municipal de Meio Ambiente.

 

Também serão beneficiados com os recursos os projetos de recuperação, recomposição, preservação e reparação de áreas de preservação permanente da Capital e de prevenção de danos a essas áreas, desde que estejam situadas em áreas públicas de Campo Grande, inclusive nascentes detectadas em projetos desenvolvidos pelo MPMS.

 

E, ainda, voltado a projeto sustentável e reconhecido internacionalmente, Campo Grande obteve a certificação do Crematório construído como sendo o único complexo Leadership in Energy and Environmental Design (LEED) Platinum no mundo neste seguimento, que em português significa Liderança em Energia e Design Ambiental. O LEED é uma certificação concedida apenas a empresas com alto rigor em suas práticas sustentáveis.

 

Os projetos que visam a certificação LEED são analisados em oito dimensões, sendo elas: localização e transporte, espaço sustentável, eficiência do uso da água, energia e atmosfera, materiais e recursos, qualidade ambiental interna, inovação e processos e créditos de prioridade regional.

 

“É um sistema mais reconhecido internacionalmente, está em mais de 120 países e atua de forma a ter critérios rigorosos técnicos, práticas sustentáveis como um todo e para abordagens sustentáveis dentro da construção civil", explicou Ricciano Liberalli, responsável pela certificação do Crematório estabelecido em Campo Grande.

 

Cabe destacar que apenas 3% dos empreendimentos certificados no mundo todo chegam a esse nível. Essa é uma das formas que a gestão municipal procura atuar, por meio do Programa Reviva Mais Campo Grade,  voltada ao desenvolvimento sustentável através de um modelo econômico, político, social, cultural e ambiental equilibrado, que satisfaça as necessidades das gerações atuais, sem comprometer a capacidade das gerações futuras.