Com recursos do FCO, cooperativa Copasul vai duplicar indústria de fios de algodão em Naviraí

Com a contratação de quase R$ 70 milhões em recursos do FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste) aprovados na primeira reunião de 2021, a cooperativa Copasul vai ampliar a indústria de fios de algodão no município de Naviraí. O investimento total no município se aproxima dos R$ 90 milhões.

 

A construção da Fiação II vai ampliar a capacidade de produção para 7,2 mil toneladas/ano de fios 100% algodão por ano entre outros produtos. A previsão é de gerar 80 empregos diretos e consolidar a unidade como uma das grandes fiações do Brasil. As obras devem terminar até o fim de 2021 e a produção comercializada com empresas de São Paulo, Santa Catarina e Paraná.

 

Titular da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) o secretário Jaime Verruck que na primeira reunião do ano do CEIF/FCO (Conselho Estado de Investimentos Financiáveis pelo FCO) a Copasul teve quase R$ 100 milhões em recursos do FCO aprovados para investimentos nos municípios de Naviraí e Batayporã.

 

“Mais uma vez vemos o FCO como linha de crédito primordial para o desenvolvimento do Estado e por meio de cooperativas, que são grandes investidoras em Mato Grosso do Sul. Neste caso a Copasul está investindo em duas áreas, grãos e algodão, gerando emprego e renda em municípios pequenos e agregando valor à produção local. Ação totalmente alinhada com o Procoop, programa do Governo de incentivo ao cooperativismo”, explica o secretário e presidente do CEIF, Jaime Verruck.

 

Ainda durante a primeira reunião do ano, o conselho aprovou R$ 330 mil para aquisição de máquinas para a unidade de Naviraí, com valor total do investimento de R$ 414 mil. Em Batayporã, a cooperativa vai construir uma unidade armazenadora de grãos com capacidade estática para 27 mil toneladas, para isso contraiu R$ 20 milhões em recursos do FCO que serão investidos na aquisição de máquinas e equipamentos, obras civis, instalações elétricas, infraestrutura e equipamentos.

 

O valor total do investimento é de R$ 30,6 milhões e deve gerar 13 empregos diretos e 30 temporários. Além de empreendimentos físicos, a Copasul segue com os projetos de novos negócios, e atua junto à fecularia para novas ações de consolidação da Tapioca Copasul no mercado, além da possibilidade de lançamento de novos produtos.

 

“Este promete ser um ano desafiador e próspero. Desafiador por causa da pandemia, mas próspero pela quantidade de projetos que temos em andamento. Ações para reforço da estratégia de atuação na agricultura, mas também os passos firmes no rumo da agroindustrialização, que é a saída para amenizar os problemas com o clima nesta ‘fábrica a céu aberto’ que é a lavoura. Apesar das incertezas estamos motivados e empenhados para que a Copasul consiga se fortalecer e prosperar junto com os cooperados e colaboradores e continuar contribuindo com a comunidade”, destacou o diretor de operações, Adroaldo Taguti.

 

Lançado no fim de outubro, o  Procoop (Programa Estadual de Desenvolvimento e Fortalecimento do Cooperativismo em Mato Grosso do Sul) tem como objetivo fomentar um ambiente favorável ao desenvolvimento e ao fortalecimento das cooperativas no território sul-mato-grossense. No âmbito do FCO o Governo, por meio da Semagro, atuou para que as cooperativas de crédito pudesse operar os recursos do fundo. Atualmente o Estamos o setor de cooperativas é responsável por 10% do PIB estadual e os principais investimentos.