Sondagem Industrial aponta mais empresas com estabilidade na produção em agosto

O número de indústrias sul-mato-grossenses que reportaram estabilidade na produção aumentou em agosto, na comparação com o mês anterior, segundo dados da Sondagem Industrial. O levantamento, elaborado pela Coordenação da Unidade de Pesquisa da FIEMS (Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul), aponta que 60% das empresas apresentaram produção estável na passagem de julho para agosto. O incremento é de 9 pontos percentuais.

 

De acordo com Ezequiel Resende Martins, economista coordenador do setor, a sondagem de agosto de 2021 revela ainda que os índices de confiança e intenção de investimentos seguem positivos, mas recuaram na comparação com o último mês. “Os empresários industriais de Mato Grosso do Sul projetam estabilidade para o número de funcionários e um crescimento menor na demanda por seus produtos e exportações”.

 

FIEMS revela que índice de confiança elevado mostra otimismo do empresariado

 

Em setembro, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) alcançou a marca de 60,9 pontos. A redução é de 4,2 pontos em relação ao mês anterior, interrompendo uma sequência de quatro altas consecutivas. Ezequiel explica que, apesar da queda, o cenário entre os empresários ainda é positivo.

 

“A confiança recuou, sobretudo, em função do menor otimismo do empresário com os próximos seis meses. Ainda assim, o resultado consolidado permanece acima da linha divisória dos 50 pontos, indicando que o empresário industrial de Mato Grosso do Sul segue confiante”.

 

Condições econômicas das empresas melhoraram para 36,3%, aponta FIEMS

 

Na projeção para setembro, os entrevistados avaliaram as condições atuais da economia brasileira, da economia estadual e da própria empresa. Segundo o coordenador do estudo, as condições atuais das empresas melhoraram para 36,3% dos industriais. Para 50,9%, não houve alteração no quadro, e outros 10,9% sinalizaram piora nas condições.

 

Na visão dos empresários, as condições da economia estadual melhoraram para 29,1%; permaneceram as mesmas para 54,5%; e pioraram para 14,5%. Já a situação da economia nacional melhorou para 29,1%; manteve-se estável para 47,3%; e pioraram para 21,8% dos entrevistados.

 

Os dados indicam que o otimismo para os próximos seis meses se tornou menos intenso e disseminado entre os entrevistados da Sondagem Industrial. No entanto, segundo o economista, esse movimento nos índices pode estar relacionado a uma revisão nas expectativas dos empresários – algo que precisa ser confirmado nos próximos levantamentos.

 

Segmentos com empresas pesquisadas

 

Produtos alimentícios, confecção de artigos do vestuário e acessórios, produtos de material plástico, produtos de metal, produtos minerais não metálicos, produtos têxteis, máquinas e equipamentos, extração de minerais não metálicos, bebidas, produtos de madeira, biocombustíveis, químicos, produtos de borracha, metalurgia, máquinas, aparelhos e materiais elétricos, couros e artefatos de couro, móveis e produtos diversos.

 

Perfil da amostra da Sondagem Industrial da FIEMS

 

A amostra é composta por 55 empresas (2,9% da amostra nacional). São 25 pequenas, 26 médias e quatro grandes. São consideradas empresas pequenas as que têm entre dez e 49 empregados; média de 50 a 249 empregados; e as que empregam 250 trabalhadores ou mais.

 

Período de coleta da Sondagem Industrial da FIEMS

 

1.º a 15 de setembro de 2021.

Confira o comentário do economista Ezequiel Rezende:

 

 

FONTE: FIEMS