Consumidor tem menor perspectiva de consumo e crédito, mas sinaliza para compra de duráveis

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) campo-grandenses, calculada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), aponta que neste mês de outubro a perspectiva de consumo e avaliação do acesso ao crédito recuaram, em relação a setembro. Por outro lado, aumentou em 6,4% o índice relacionado ao momento para aquisição de bens duráveis, como móveis, eletrodomésticos e eletrônicos.

 

“A pesquisa mostra que a avaliação da renda atual e poder aquisitivo teve uma discreta piora, mas em relação à compra de bens duráveis houve um otimismo maior e, com isso, melhores expectativas para as vendas de Black Friday e Natal. Essas vendas podem até não ocorrer na proporção desejada, mas em função do isolamento/distanciamento social, ocorreu também alterações comportamentais da população e dentre elas está a maior propensão de consumo de itens que ofereçam mais conforto e comodidade em casa”, diz a economista do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio-MS, Daniela Dias.

 

A ICF ficou em 83 pontos no mês de outubro, ainda na chamada “zona negativa”, que é quando está abaixo de 100 pontos e sinaliza uma maior dificuldade em transformar uma intenção no consumo efetivo.

 

Confira a pesquisa na íntegra: ICF outubro 2020