No presídio feminina de Campo Grande, reeducandas aprendem a customizar calçados

Somente no presídio feminino, seis mulheres se dedicam 6h por dia para caprichar nas peças e entregar um produto de qualidade. “Realizamos um treinamento de duas semanas com as reeducandas, toda a produção é com base em encomendas, entregamos o modelo e todo o material necessário para a confecção”, explica a empresária Ana Mattos.

 

A reeducanda Ana encontrou no bordado uma terapia

Implantada há cerca de três meses, a nova oficina tem garantido opção de trabalho e renda às mulheres. É o que garante a interna Ana Aparecida Sales, 62 anos, que está presa há 9 meses e enxerga na ocupação uma terapia.

“Nunca me imaginei costurando, mas gostei bastante e enxergo como uma oportunidade de trabalho lá fora. Isso ocupa a nossa mente, é muito importante e nos traz um alívio do cárcere”, desabafa a interna.

 

Com uma produção média de 2 a 4 pares de alpargatas em ambos presídios, a empresária comemora e garante que a experiência com a mão de obra carcerária tem sido gratificante. “O acabamento deles é ótimo, são muito interessados, aplicados, é muito positivo tudo isso, estou realmente bastante encantada”, destaca Ana Mattos, dona da empresa Divino Santo.

 

A ocupação da mão de obra carcerária é coordenada pela Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), por meio da Divisão de Trabalho Prisional. Para esta oportunidade, foi firmada parceria com a empresa Divino Santo, que representa uma das 186 empresas conveniadas que ofertam trabalho a reeducandos em Mato Grosso do Sul.

 

O trabalho consiste na customização minuciosa de alpargatas com pedrarias, lantejoulas e bordados. A partir de modelos impressos, as peças vão se transformando de simples alpargatas em belas peças personalizadas, em diferentes formatos, cores e desenhos.

 

Marta leva experiência e aprendizado em cada oportunidade de trabalho

Presa há oito anos, a interna Marta da Silva Matos também atua na oficina e garante que tudo que faz leva como aprendizado. “Aprendi a costurar aqui, para mim o trabalho é importante porque faz a gente enxergar que não precisamos voltar a delinquir, que existe um futuro melhor lá fora; quando eu sair daqui vou levar bastante experiência”, revela a interna que sonha em abrir seu próprio salão de beleza quando conquistar a liberdade.

 

Além dos reeducandos, a empresa também conta com duas pessoas externas. “Esse projeto nos traz uma grande satisfação em ver a nossa marca sendo conhecida no Brasil inteiro e quando comentamos sobre o projeto, as pessoas têm um encantamento e isso agrega muito, e cada vez mais, a qualidade do produto está se firmando e com uma excelência maravilhosa. Nossa intenção é contratar novos trabalhadores para o próximo ano”, afirma Ana que também é decoradora e formada em Moda.

 

O trabalho tem dado tão certo, que um interno do IPCG foi contratado como supervisor para monitorar toda a produção, o acabamento das peças, de forma a evitar o desperdício.

 

Além da remuneração, os reeducandos recebem remição de um dia na pena a cada três trabalhados, conforme estabelecido na Lei de Execução Penal.

 

Fonte: Governo de MS