Plano de Desenvolvimento Rural Sustentável começa a ser debatido em Campo Grande

O que sabemos sobre o meio rural de Campo Grande, quais as suas potencialidades, quais são as suas fragilidades? Estas e outras indagações poderão ser respondidas pelo Plano Municipal de Desenvolvimento Rural, cuja versão preliminar foi apresentada no dia 2 por membros do Conselho de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS) ao secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e de Ciência e Tecnologia, Rodrigo Terra.

 

“Temos todas as condições de construir esse plano, discutindo amplamente com os setores do agronegócio. Precisamos continuar trabalhando na construção desse documento, criando espaços de debate no Conselho de Desenvolvimento Rural até chegarmos à criação e aprovação de uma lei para definir os parâmetros a serem seguidos”, afirma o secretário.

 

Por meio de pesquisas e levantamentos junto a um grupo qualificado, o Plano deve construir cenários e prognósticos para identificar e organizar ações, projetos e políticas públicas, com o objetivo de melhorar as probabilidades de ser construído um melhor lugar para todos que vivem em Campo Grande. “A própria população urbana desconhece particularidades de seu território; sendo assim, o que mais se conhece, são os menos de 5% territorial que compõe a área urbana, ignorando mais de 95% do território do qual depende”, afirma o agrônomo João Duarte, destacando a importância do setor rural. Duarte é um dos representantes da Sedesc no CMDRS.

 

 

Instrumento de Articulação

 

 

O desenvolvimento rural deve ser abordado necessariamente como um processo social heterogêneo. Desta forma, o Plano Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável, PMDRS deve ser instrumento de articulação horizontal na construção de políticas publicas setoriais (geração de renda e trabalho, infra estrutura, saúde, educação, lazer, ambiental, comunicação entre outras).

 

O PMDRS objetiva definir planejamento para implementação de políticas públicas de desenvolvimento mais efetivas para a realidade do município e para os anseios de sua população, estimulando o aprofundamento das interações entre rural e urbano, como indispensáveis para valorizar o rural.  “A partir de agora, que já iniciamos os debates com o Secretário da SEDESC vamos montar um grupo de trabalho para estudar especificamente nesse documento, elaborando critérios para realização da conferência que vai dar a sustentação ao texto do plano”, afirmou o professor Ivo Bussato, presidente do CMDRS.